OPPO desenvolve tecnologia que adapta ecrã a pessoas com deficiência visual cromática

A OPPO, reconhecida como a quarta maior fabricante de smartphones do mundo, lançou um dispositivo capaz de captar e reproduzir mil milhões de cores com uma precisão excecional. O ecrã OLED do dispositivo móvel “OPPO Find X3 Pro 5G”, foi concebido, entre outros objetivos, para ser “facilmente calibrado e adaptado às capacidades visuais de cada pessoa”.

A investigação levada a cabo pela OPPO, para aperfeiçoar a calibração e a reprodução da cor, contribuiu para “aprofundar ainda mais os conhecimentos sobre as caraterísticas visuais do olho humano e a forma como é possível harmonizá-lo com a capacidade de um telefone reproduzir cores”.

Durante o processo de investigação, a OPPO “descobriu que a maioria dos utilizadores de telefones pode ser dividida em diferentes grupos: pessoas com dificuldade em distinguir as cores e pessoas daltónicas, pessoas que distinguem parcialmente as cores e pessoas que distinguem totalmente as cores”.

A OPPO “empregou oito métodos de teste de visão das cores. Estas metodologias foram utilizadas para criar um algoritmo que adapta o ecrã às capacidades visuais do utilizador”.

Estes métodos constituem a “deteção de imagem de cor falsa, vulgarmente utilizada para diagnosticar o daltonismo, e o Sistema de cores de Munsell. Este último é utilizado para analisar a cor dos tons do mundo real ao dividi-los pela sua tonalidade fundamental, valor (“claridade”) e propriedades cromáticas”.

Esta combinação permite que a OPPO “otimize a precisão da tonalidade da cor no ecrã, compensando as deficiências visuais”.

OPPO “realizou as investigações, em colaboração com especialistas em ciência da cor, como Yaguchi e Luo Ming, da Universidade de Zhejiang”. Luo Ming é doutorado em Química da Cor e Tecnologia da Cor pela Universidade de Bradford e exerceu a função de professor na Universidade de Leeds durante oito anos.